segunda-feira, dezembro 12, 2005

O Prazer na Poesia



Gosto muito da obra do nosso querido Bocage.
Assim deixo-vos aqui um "pedaço" da sua extensa obra...


SONETO DO PRAZER MAIOR

Amar dentro do peito uma donzela;
Jurar-lhe pelos céus a fé mais pura;
Falar-lhe, conseguindo alta ventura,
Depois da meia-noite na janela:

Fazê-la vir abaixo, e com cautela
Sentir abrir a porta, que murmura;
Entrar pé ante pé, e com ternura
Apertá-la nos braços casta e bela:

Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos,
E a boca, com prazer o mais jucundo,
Apalpar-lhe de leve os dois pimpolhos:

Vê-la rendida enfim a Amor fecundo;
Ditoso levantar-lhe os brancos folhos;
É este o maior gosto que há no mundo.


Autor: Manuel Maria Barbosa Du Bocage


2 comentários:

Å®t_Øf_£övë disse...

Peter,
FINALMENTE!!!
Apareces por aqui!!!
A que se deve tal presença???
O que te motivou a fazê-lo???
Fico contente que tenhas contribuido com um pedacinho de ti aqui para o "Pedaços".
Espero não voltar a ver-te por cá só daqui a 3 meses, porque todos fazemos falta, e todos somos poucos.
Não te sabia apreciador da obra de Bocage!
Boa semana.
Abraço.

Shiazinha@pensar.ou.@iludir-se... :-)* disse...

Olá Peter: Muito bonito este Soneto do Prazer Maior.Personifica em alguns versos,a essência de um Grande Amor.É sempre bom sentir que alguém nos ama assim... :)

Fica bem.