quinta-feira, janeiro 31, 2008

O nexo e a verdade

Há um princípio e um fim em tudo o que se torna premente. Que sentido teria a vida, sem nexo? Cada um dá-lhe a direcção e a força que os seus próprios cavalos aguentam. Prego a fundo porque assim se faz gente.
A necessidade faz eclodir o engenho e a ocasião faz explodir o sujeito. Não há máquina sem sonho subjacente, nem solução sem problema adjacente. Sonhar, anima a malta. Acreditar, é o que faz falta. Recordar Gedeão.
Dar de vencida a paixão pela coisa, não valoriza os sentidos - que o disse Leonardo.
O génio é incipiente, o louco é vidente e herói é o agente.
Para tudo existe um meio: a virtude. Mora numa casa a que todos chamam sua mas poucos a pernoitam. Somos virtuosos nas obras desfeitas. Tudo malta porreira. Prato cuspido é prato servido. Cuidemos da obra feita. Valha-nos Deus!
Em todas as coisas há causas que motivam os homens e as mulheres crentes. A fé alimenta o espírito, dedicado e indissolúvel, nas contendas do fala só ou ao cardume de Vieira.
Opulentos espíritos enfardam os magros proveitos dos que não vingam. Barrigas ocas e cabeças boas, não combinam – excepção a Teresa. Uma migalha de pão faz milagres. Justifica-se Sudão?
Na Geografia, somos: “inos”, “eiros”, “eses”, “itas”, ”avos” e “anos”. No Mundo, fazemos de: pequeninos, estrangeiros, fregueses, eruditas, parvos e humanos.
Na Sociedade, parecemos: rabinos, forasteiros, malteses, parasitas, cravos e ciganos.
Na Vida, queremos ser: peregrinos, herdeiros, burgueses, alvos e mundanos.
O que nos motiva é o que nos consome. Falha a sensatez numa casa farta e quebra a lucidez num homem com fome.
O prato cheio não é tudo e vazio não é nada. Nem só por pão morre o Homem. Só a razão é eterna paixão.
A verdade é uma inacabada manta rota de retalhos. Devia ser escrita e subscrita, conjuntamente, por todos aqueles que a: procuraram e a encontraram, ouviram e a contaram, hesitaram e não desistiram, lutaram e tombaram, venceram e convenceram e por nós (que confiamos neles e a aceitamos passiva ou activamente). Somos dela merecedores, não do castigo. Conhecemos o ABC dos tempos mas muito pouco de Z. Oramos a Alá, rezamos a Deus ou somos ateus. E seguimos Buda e apostulamos Cristo e lemos Gandhi e acreditamos nos homens e não somos fariseus.
O que nos fascina é atravessar o denso nevoeiro que envolve o sonho. Esperamos Sebastião?
Perante o Inferno, optemos por Dante. Andamos confusos?

(são 6:30h, vou aquecer chá de cidreira e fazer uma torrada com mel. Volto já.)
______
Pedro Arunca
2008-01-31

quinta-feira, janeiro 24, 2008

A nossa casa

Todos nós recebemos sempre alguém em nossa casa, por educação, ou costume, mostramos todas as divisões da mesma, explicamos o que escolhemos, as vantagens, o que vamos modificar e até estamos abertos a sugestões decorativas. Alguns dirão: é o minimo a fazer, para que o nosso convidado, alguém que estimamos, ou importante para nós se sinta minimamente confortável nos nossos aposentos.
Transporto tudo isso para a nossa vida, sim, as relações... tudo bem mais simples na apresentação da "nossa casa", a nossa pessoa.
Aqui é a minha divisão preferida, gosto de futebol, não perco um jogo, e se possível com algumas cervejas e os meu melhores amigos. Vês! Está justificado o ecrã gigante e o frigorifico cheio de minis...
Está é a divisão onde mostro o meu lado mais terno e sensível para contigo, pois... é o quarto, e por aí fora.
Mostrar a quem nos visita o que na realidade ela vê, bem como a explicação sobre o mesmo. Não sei se tal evitaria problemas ou discussões, mas estou convencido, na minha humilde opinião, que iria evitar a velha e esgotada expressão... Como tu me enganas-te...

quarta-feira, janeiro 16, 2008

O Meu Olhar Sobre o Mundo

África é um Continente de contrastes, e se queremos conhecer uma cidade desenvolvida, e ao mesmo tempo cheia de contrastes, então Marrakech é essa cidade.

Tudo é possível em Marrakech, e tudo existe em Marrakech... desde cobras na praça central, aos condutores dos "petit Taxis", passando pela Medina... tudo é incrível, e impossível de esquecer.
Marrakech é uma cidade que nos fascina por tudo... pelas cores, pelos sabores, pelos odores, pelo povo, pelos sons, pelos contrastes, pelo exotismo, pela arquitectura, e principalmente pelo branco da neve que paira por esta altura do ano no pico das Montanhas do Alto Atlas.

Estas Montanhas têm uma beleza bem característica, porque estão sempre com neve no topo seja Verão ou Inverno. E é tão bom atravessá-las rumo ao Sul...

terça-feira, janeiro 15, 2008

Cão Natal

Nas minhas férias de Natal na Madeira, tive o privilégio de ver isto no Funchal:


video


Infelizmente, minutos depois o cão envolveu-se com outro cão, e quase que ninguém os separava. Mas essa parte não registei.

Será exploração canina (no vídeo não se percebe, mas o dono bate as palmas e diz "vamos!", e o cão levanta-se agarra o cesto e vai...), mas está genialmente criativo.

segunda-feira, janeiro 14, 2008

Tudo que eu aprendi na vida…

Porque este é um espaço de partilha, onde deixamos bocadinhos de nós. Porque este é um espaço que me é querido por diversas razões. E porque não sei quando, como ou se, aqui poderei voltar, decidi hoje deixar registadas as palavras que me acompanham há anos, oferecidas por um amigo que espero encontrar de novo um dia qualquer...


"Eu aprendi:
Que não posso exigir o amor de ninguém,
posso apenas dar boas razões para que gostem de mim
e ter paciência para que a vida faça o resto;
Que não importa o quanto certas coisas
são importantes para mim, tem gente que não dá
a mínima e jamais conseguirei convencê-las que posso
passar anos construindo uma verdade
e destrui-la em apenas alguns segundos.

Eu aprendi:
Que posso fazer algo em um minuto e ter que responder
por isso o resto da minha vida;
Que por mais que você corte o pão em fatias,
esse pão continua tendo duas faces,
e o mesmo vale para tudo o que cortamos de nosso caminho.

Eu aprendi:
Que vai demorar muito para me transformar
na pessoa que quero ser, e devo ter paciência;
que posso nunca chegar a ser ou simplesmente não ter tempo;
ou posso acabar por sê-lo sem sequer dar por isso;
Que posso ir além dos limites que eu próprio coloquei;
Que eu preciso escolher entre controlar meus pensamentos
ou ser controlada por eles.

Eu aprendi:
Que os heróis são pessoas que fazem o que acham
que devem fazer naquele momento,
independentemente do medo que sentem;
Que perdoar exige muita prática; condenar é mais fácil !
Que há muita gente que gosta de mim,
mas que muitos não conseguem expressar isso,
ou fui eu que nem reparei.

Eu aprendi:
Que em momentos mais difíceis, a ajuda veio
justamente daquela pessoa que eu achava
que iria tentar piorar a minha vida;
e que a outra que eu esperava que estivesse nem apareceu.
Que eu posso ficar furioso, tenho o direito de me irritar,
mas não tenho o direito de ser cruel.
Que é difícil traçar uma linha entre ser gentil,
não ferir pessoas, e saber lutar pelas coisas que acredita.

Eu aprendi:
Que a palavra amor perde o sentido, quando usada sem critério;
Que certas pessoas vão embora de qualquer maneira;
quer você queira ou não;
Que minha existência pode mudar para sempre em poucas horas,
por causa de gente que nunca vi antes.

Eu aprendi:
Que meu melhor amigo vai me magoar de vez em quando,
que eu tenho que me acostumar com isso;
e que aquela pessoa que eu mais amo ainda me vai magoar mais,
e eu a ela e posso nem perceber porquê.
Que não é bastante ser perdoado pelos outros,
eu preciso me perdoar primeiro;
Que, não importa o quanto meu coração esteja sofrendo,
o mundo não vai parar por causa disso.

Eu aprendi:
Que por mais que eu queira proteger meus filhos,
eles vão se machucar e eu também serei magoada,
isso faz parte da vida;
Que jamais posso dizer a uma criança que seus sonhos são impossíveis.
Será uma tragédia para o mundo se eu conseguir convencê-la disso;
e uma tragédia ainda maior se eu própria me convencer disso junto com ela.

Eu aprendi:
Que as circunstâncias de minha infância são responsáveis
pelo que eu sou, mas não pelas escolhas que eu fiz quando adulto
Que numa briga, eu preciso escolher de que lado estou,
mesmo quando não quero me envolver.
Que, quando duas pessoas discutem não significa que elas se odeiem.
E quando duas pessoas não discutem
não significa que elas se amem.

Eu aprendi:
Que conhecimento e saber nos tornam mais ricos;
E que a vida nos ensina mais que qualquer livro;
Que ensinando o que sei, aprendo;
Que diplomas na parede não me fazem mais respeitável ou mais sábio.

Eu aprendi:
Que pesadelos quando dormimos têm remédio;
mas sonhar acordado é perigoso.
Que o passado deve ser recordado mas não desejado;
Que o futuro é uma incógnita;
Que o presente existe para ser vivido intensamente
um dia de cada vez!
Que nós nascemos, vivemos e morremos,
um dia qualquer,
porque essa é a ordem natural!"


E por tudo o que aprendi neste espaço… obrigada!

Até sempre…


sexta-feira, janeiro 11, 2008

Real Life by AYO

Olá amigas e amigos , como aqui partilhamos um pouco das nossas vidas, aqui fica uma sugestão musical de uma cantora que eu adoro, AYO



Some people say that I'm to open they say it's not good to let them no everything about me and they say one day they will use every little things against me but I don't mind maybe they're right that's just how it is and I got nothing to hide.

I live my life the way I want I got nothing to hide nothing at all life is not a fairy tale life is about more cause life is real.
I live my life the way I want I got nothing to hide nothing at all life is not a fairy tale life they should know that life is real.

A friend of mine gave me an advice he saiybe careful and think twice before you talk about your life protect yourself just keep quiet the more they know the harder they try to spoil your ways to spread lies and even though I know he could be right I just said I...

Me I be ayo ogunmakin fear no foe I am real from head to toe just like my heart and my soul.
Me I be ayo ogunmakin fear no foe I am real from head to toe like life is real and you should know.

domingo, janeiro 06, 2008

"a night to remember"

Gosto de utilizar "my own words", mas às vezes há músicas que falam por mim, e em que sinto que não lhes preciso de acrescentar nem mais uma palavra...
É o caso desta música... "Let's make a night to remember".
A minha noite de Passagem de Ano foi inesquecível, e espero que todos vocês também tenham conseguido fazer da vossa noite "a night to remember", e que a consigam prolongar ao longo de todo o ano de 2008.



Eu gosto do teu jeito esta noite, com o teu cabelo solto pela altura dos teus ombros.
Eu gosto do teu jeito de dançar aquele doce tango lento... o jeito como queres fazer tudo, excepto falar.
E como me encaras com esses olhos de "tira a minha roupa"...
E a tua respiração no meu corpo, deixa-me quente por dentro

Vamos fazer amor, vamos fazer algo incrível, vamos fazer algo sem parar.
Porque eu nunca toquei alguém do jeito que toco o teu corpo.
Agora eu nunca mais te irei deixar ir embora.

Vamos fazer uma noite, inesquecível, de Janeiro até Dezembro.
Vamos fazer amor para nos animar, uma lembrança para nos inflamar.
Vamos fazer mel... macio e delicado.
Vamos fazer açúcar... doce redenção.
Vamos fazer uma noite inesquecível para a vida inteira.

Eu gosto do jeito que tens de te mover esta noite. Gotas de suor a escorrer da tua pele. Eu deitado aqui, e tu deitada aí, e as nossas sombras na parede, e as nossas mãos em todo o lugar.

Eu penso em ti o tempo todo.
Será que não vês como que me deixas louco?
Bom, eu nunca mais me vou segurar outra vez.
Eu não quero que esta noite termine, porque eu nunca toquei alguém do jeito que toco o teu corpo.
Agora eu nunca mais te irei deixar ir embora.

sábado, janeiro 05, 2008

Concerto















Toca-me...

Escuta cada som que sai do meu corpo
Sente em cada pedaço de pele um ritmo
Faz de cada músculo uma tecla de piano
De cada nervo uma corda de guitarra
E deixa-me sentir a melodia que escolhes

Toca alto e forte, se o desejo te ataca
Toca baixinho e suave, se o carinho te move

Mas toca...

Toca-me...

Compõe a tua música no meu corpo
Escreve a tua canção dentro de mim
Inventa e reinventa a nossa orquestra
Faz desta cama o teu palco
E guarda na carne as pautas deste concerto

Toca sem pressa, se a noite for longa
Toca com alma, se o tempo deixar

Mas toca...

Toca-me...

sexta-feira, janeiro 04, 2008

A Revolução



Passamos demasiado suspirando por direitos, liberdade, revoluções.
De uma forma ou de outra, em cada um de nós vive uma convicção, respira uma ideia. Vivemos nossas vidas, praguejando, pensando nas coisas, que algo ou alguém podiam fazer por nós, podiam fazer mais por mim, podiam fazer mais por ti…
Toda a mente produz esperança, todos nós um dia acabamos por dormir com a convicção de uma mudança global, todos nós esperamos a revolução.

Todos queremos, um Mundo mais justo, mais voz, mais palavra.
Julgamo-nos por vezes capazes de mudar o mundo, alterar mentalidades. Sentimo-nos senhores da razão, donos da ideia que um dia, talvez um dia vai mudar o Mundo…

Esquecemo-nos contudo, que toda a grande mudança, toda a grande ideia revolucionária, começa em cada um de nós…
Queremos mudar o Mundo, mudar as cores da vida, esquecemo-nos de mudar a alma, rever as palavras, lavar o coração… Como podemos mudar toda uma ideologia se o que nos move, é o ódio, é o medo que nos faz correr…

Antes de içar a bandeira da revolução, iça primeiro a bandeira do perdão, do reconhecimento e acima de tudo…

Acima de tudo…

Iça primeiro o amor.

Lava a alma de preconceitos, falsas esperanças, limpa as mágoas passadas e sorri…

Sorri…

Que a vida te sorrirá de volta…

Mas nunca te esqueças de lutar, por aquilo que amas, por aquilo que queres e por aquilo em que acreditas…

O que é acreditar afinal?

Love u all


Ps: Que em 2008 surja finalmente a revolução...
A revolução das mentalidades e dos preconceitos!!!

quinta-feira, janeiro 03, 2008

Feliz 2008

Um grande e feliz 2008 para todos

quarta-feira, janeiro 02, 2008

Dia da Vassoura


Sem ressaca da comprida noite, estou de volta ao teclado para compor algumas palavras que me traduzam neste dia primeiro.
Conferindo as minhas contas, para apurar o saldo de 2007, noto que parte delas estiveram paradas o ano inteiro. Foram abertas, há não sei quanto tempo e com que capital, e não são movimentadas por nenhum dos titulares. Nem me darei ao trabalho de saber se algumas têm saldo de jeito vou, simplesmente, encerrá-las e apagá-las dos meus registos.
Sou obrigado e estou determinado a simplificar a minha vida, em todos os sentidos. Vou fazer o balanço e análise das minhas contas com: despesas, relações, tempo, ocupações, interesses, hábitos, costumes, consumos e coisas. Vou instaurar, definitivamente, o meu "Dia da Vassoura" para a limpeza geral.
O "Dia da Vassoura" (marcado à toa) foi, durante muito tempo, o meu grito de guerra à limpeza de casa. Nesse dia, muitas das coisas que ganhavam pó - excepto as garrafas de tinto velho -, bolor, ferrugem, "verdete", incomodavam a vista ou que nunca eram utilizadas iam direitinhas ao contentor do lixo ou, se alguém lhe visse utilidade, a outro lar.
Finalmente, o Dia da Vassoura vai ter data certa e ser aplicado em muito mais coisas, para além da casa.
Darei atenção aos "manuais do utilizador", "prazos de validade", prazos de utilidade, frequência de utilização, data da última utilização, grau de utilidade, sinais de inutilidade, funcionalidade, actualidade, espaço de ocupação, rentabilidade, consumo de energia, índice de poluição, grau de satisfação, etc.
Espero, sinceramente, não criar um deserto à minha volta. Quanto à data, vou fazer umas pesquisas nas minhas antigas agendas e pela Net e cá voltarei.

terça-feira, janeiro 01, 2008

Um beijo para as meninas e um abraço para os meninos