sexta-feira, fevereiro 03, 2006

O verdadeiro amor

Para mim, o verdadeiro amor, é o amor pleno. O amor que toma quem o experimenta. Quem o vive percebe que nada mais no mundo possui tanto valor! Apenas amar... Esse amor é tão magnânimo, que estremece o Universo, muda o curso de qualquer história. Esse amor tem muito para dar. Na fala desse amor, há tom de emoção em cada palavra pronunciada. No toque desse amor, há sensação de se estar flutuando a cada beijo trocado. É um sentimento que invade tudo, preenche todos os espaços e faz com que qualquer tentativa de infidelidade seja vã. Quando vivemos esse amor e acreditamos, do fundo da nossa alma nele, sentimo-nos mais fortes que o mundo e somos tomados por uma serenidade, que vem da certeza, de que nada poderá vencer esse amor. Entregamo-nos com tal vontade a esse amor, que tudo ao nosso redor passa a ter vida. As nuvens passam a formar desenhos, os soldadinhos de chumbo parecem marchar, a bailarina da caixinha de música a bailar e a sorrir. Transformamo-nos em crianças que diante da vida, têm o poder de condensar para si, toda a simplicidade, toda a luminosidade do mundo. Esse amor está além do tempo. Se eu não tiver esse amor, que eu não tenha nenhum, pois nada conseguirei ser...

4 comentários:

Shiazinha@pensar.ou.@iludir-se... :-)* disse...

Olá Carlinha: Adorei este teu texto... Como sabes, eu sou uma pessoa apaixonada por natureza. Para mim, na Vida o mais importante para além da Saúde, é o Amor. Aquele Amor Especial que sentimos pelos nossos irmãos, pais, amigos e nesta fase das nossas Vidas, pelos filhos ou sobrinhos/as. ;) Espero que continues a Amar assim sem reservas, com aquele Amor de entrega total que tu demonstras a cada linha deste Texto, o qual é a força motriz da tua Vida.

Bjinhos da amiga :D*

Å®t_Øf_£övë disse...

Carlinha,
Ainda há pouco tempo falei no meu blog sobre esse amor que está para lá do tempo, nesse amor verdadeiro.
Por isso vou repetir-te aqui algumas das palavras que lá deixei escritas.
Para mim, o amor é a outra face da felicidade. A face palpável e possível. O amor para mim, só existe se for quase impossível, se o mundo que nos rodeia o quiser roubar, se a distância o alimentar, e se os dias de ausência forem trocados por noites de inesquecível e inigualável prazer. O amor só subsiste na dúvida, na incerteza, naquele toque que pode ser o último, no abraço que se perde no ar, no derradeiro olhar antes da separação.
O amor verdadeiro para mim é assim, tem que ser alimentado, vivido com paixão. Quanto a outros tipos de amor... bem quanto a esses... eu não sei bem se lhes podemos chamar de amor... ou será que são esses os amores verdadeiros???
Beijinhos.

Lis57 disse...

Carlinha
Adorei este elogio ao verdadeiro AMOR.
Na realidade ´podemos dizer que há vários tipos de amor: amor pelos nossos filhos, pais irmãos etc. Mas o AMOR verdadeiro tem só uma finalidade: a felicidade da pessoa que amamos.Só quem consegue fazer de tudo para a felicidade de alguém sabe amar e viver um grande Amor.

Boa semana.
Beijos

Porquê? disse...

Carlinha,
é verdade, quem experimenta o verdadeiro amor fica em estado de total serenidade, de harmonia com o universo. A vida lá fora parece adquirir novas cores, tudo é bonito e encantador. Apodera-se de nós uma imensa felicidade que desejamos partilhar com as pessoas que nos estão mais próximas.
Eu tive a felicidade de viver esse amor que me transportou a um nível quase espiritual, que me fez ver o mundo com outros olhos, que me fez amadurecer e compreender o que é realmente a partilha e que me ensinou que no amor também coexiste a solidariedade, a compreensão, a preocupação, a confiança, a amizade, o sentido de humor.....e tudo o mais!
Parabéns pelo texto que me tocou bem no fundo!