terça-feira, fevereiro 14, 2006

Pedaços ... de Florbela

Em mais um daqueles dias em que as pessoas têm de ser lembradas que há pessoas importantes nas suas vidas nada melhor que um poema lindo...

Perdidamente

Ser poeta é ser mais alto, é ser mais maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e do Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
e não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja
É ter garras e assas de condor!

É ter fome, é ter sede de infinito
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te assim, perdidamente...
E é seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

(letra) Florbela Espanca

Já adaptada pelos Trovante e pelos Ala dos Namorados

1 comentário:

Å®t_Øf_£övë disse...

Elsa,
Bonita a tua escolha. Não é só o poema que é bonito enquanto meras palavras. Também fica muito bem cantado nas versões que tu nos recordas. Eu pessoalmente gosto mais da versão dos Ala dos Namorados, já que não sou propriamente fã dos Trovante.
Beijinhos.