quarta-feira, outubro 12, 2005

Desilusão...

A vida tem destas coisas, se por vezes temos momentos únicos que achamos mágicos e que os vivemos com a euforia necessária, outros há em que a tristeza em que algo não correspondeu às expectativas que criamos nos conduz à desilusão. Ainda bem que são só pequenos momentos, que depressa se tornam ultrapassáveis, mas a dor de os sentir é forte e magoa muito na altura. Não se trata só de desilusões amorosas, mas por vezes a própria vida é uma desilusão. Não temos tudo o que queremos nem tão pouco o que ambicionamos. Enfim, há um velho ditado que utilizo com alguma regularidade para expressar estes meus estados de espírito "o difícil não é viver mas sim o saber viver", e como eu gostava tanto de saber viver sem me desiludir...

7 comentários:

Tazaroteno disse...

Estou a tentar entender-te, mas tenho alguma dificuldade, pois acho que devemos todos conter um pouco as nossas expectativas, se forem demasiado altas provocam a pior das emoções, a desilusão .Aprendi isto numa das minhas viagens com um povo muito simpatico que me transmitiu um sentimento que pode mudar a nossa vida... Gerir o nosso dia a dia sem esperar muito do futuro, porque o futuro é construido todos os dias ...
Bjs grande minha amiga.

Å®t_Øf_£övë disse...

Junior,
Acho que me vou alongar um pouco, mas vamos lá falar de desilusões...
Nós na vida passamos por fases de entusiasmo e fases de desilusão. De vez em quando andamos nas nuvens, noutras ocasiões, mais frequentes, andamos murchos. Temos períodos, em que caminhamos sobre nuvens e tudo nos parece maravilhoso, e outros períodos tão cinzentos, que talvez nos apetecesse adormecer e ficar assim durante o tempo necessário para que tudo voltasse a ser belo.
Acontece-nos a todos...
A verdade é que não temos razões para nos deixarmos levar demasiado por entusiasmos, pois já devíamos ter aprendido que essas fases não podem durar sempre.
A vida é o que é, e não pode ser mais do que isso...
Desejamos muito uma coisa, pensamos que se a alcançarmos obtemos uma espécie de céu, batemo-nos por ela com todas as forças. Mas quando, finalmente, obtemos o que tanto desejávamos, passamos por duas fases desconcertantes. A primeira é um medo terrível de perder o que conquistámos, porque conhecemos o que aconteceu anteriormente a outras pessoas em situações semelhantes à nossa...
A segunda fase chega com o tempo e não costuma demorar muito. Acontece que aquilo que obtivemos perde lentamente, ou de um dia para o outro o encanto.
E é nesse momento que chega a desilusão, com todas as suas consequências desagradáveis. Podem passar-nos pela cabeça coisas como mudarmos de profissão, mudarmos de clube, trocarmos de automóvel ou de casa, divorciarmo-nos... e então, surge o desejo de partir atrás de outro entusiasmo. Queremos voltar a amar...
Se nos desiludimos, a culpa não está nas coisas nem está nas outras pessoas. Se nos desiludimos, a culpa é nossa, porque nos deixámos iludir, porque nos deixámos levar por uma ilusão. Uma ilusão consiste em camuflar a realidade, de modo a distorcê-la ou a fazê-la parecer mais do que aquilo que é.
Quando nos desiludimos não estamos a ser justos nem com as pessoas nem com as coisas.
Nenhuma pessoa, nenhuma das coisas com que lidamos pode satisfazer plenamente o nosso desejo de felicidade e de beleza. Em primeiro lugar porque não são perfeitas, só a ilusão pode ser temporariamente perfeita. Depois, porque não são eternas... apodrecem... gastam-se... engordam... partem-se... ganham rugas... terminam...
Aquilo que procuramos, e não o conseguimos evitar, é a perfeição. E não nos contentamos com menos do que isso. É por essa razão que nos desiludimos e que de novo nos iludimos... andamos à procura...
De resto, se todos ambicionamos um bem perfeito... ele só pode existir...

Bem, parece-me que exagerei mesmo... isto não devia ser um comentário... acho que devia ser um post, mas enfim...
Beijinhos

Junior disse...

Art,

as tuas palavras parecem que foram feitas a pensar em mim, mas isso seria pretensiosismo da minha parte. Sei que foste generalista quanto ao tema em questão, mas se calhar o problema é mesmo meu...pk como tu dizes e mt bem, a vida é o que é e nada mais do que isso, eu por vezes é que coloco a fasquia demasiado alta e dp a queda magoa sp um pouco, mas tb acho que com os meus 33 anos, as coisas já não são tão valorizáveis como qd tinha 25, e por isso hj sou dou realmente importancia aquilo que considero realmente importante. Desiludida hoje, mas feliz amanhã pelo menos é o que eu tento sp fazer. obg pelas tuas palavras.

bjs

junior

Dulcineia disse...

Junior.A desilusão é uma constante.Cabe-nos saber gerir essa fase menos positiva.Mas se reparares bem haverá situações que não tém tanta importancia assim.Quando assim acontece o melhor que podes fazer é distrair.Experimenta pensar em alguém especial,ouve uma música,pega numa revista,olha a paisagem,salta,olha-te ao espelho e repara como ,afinal,estás tão bem.Uma boa noite de sono também ajuda a ultrapassar os maus momentos,as desilusões de que falas.E essas todos temos.FICA BEM.

Visible Silence disse...

Junior,
Nem sei o que dizer depois de ler o comentário que o Art escreveu... bonitas palavras... disse tudo e bem...
Mas a verdade é que teoria é teoria... e sabê-la não nos impede de sentir a dôr... de ficarmos eufóricos quando momentos mágicos vivemos... de nos sentirmos desiludidos quando a realidade não corresponde ás nossas expectativas...
Como diz o Art...
Ninguém é perfeito... mas estamos sempre a exigir que as pessoas que nos rodeiam sejam perfeitas...
A vida não é perfeita... mas nunca nos contentamos com a vida que temos... queremos tudo... e na procura da perfeição... da vida que idealizamos... muitas vezes perdemos a nossa felicidade, por só nos apercebermos tarde demais que tinhamos tudo o que podiamos desejar...
O Tazaroteno tem razão... a vida constroi-se dia a dia... e cabe-nos gerir a nossa felicidade com peso e medida, um dia a trás do outro...
Porque felicidade plena... é utopia...
Sob pena de tudo o que amamos perdermos... se deixarmos o sonho comandar a vida...
Beijinhos

Alma Azul disse...

As desilusões muitas vezes são criadas por nós próprios, quando temos a mania de ter as expectativas sempre lá em cima. Vamos criando os outros à nossa medida e depois...desiludimo-nos. Mas mais cedo ou mais tarde acabamos por saber viver com menos desilusões... basta termos menos expectativas em relação aos outros e às coisas, assim, tudo o que superar as expectativas vai ser bom!
bjs

Porquê? disse...

Junior,
a desilusão, seja no amor ou na amizade, cria o desencantamento e consequentemente a morte da relação.
Sim, doi muito mas é practicamente impossível voltar atrás nas nossas emoções e voltarmos a ver a pessoa da mesma maneira. Mas com essas desilusões vamos amadurecendo e criando uma nova forma de viver a vida....
Beijos