terça-feira, outubro 04, 2005

Para entender o amor

Para entender o amor é preciso mais do que pensamentos, mais do que gestos largos, demonstrações barulhentas, é preciso muito mais que beijos longos e frenéticos, mais do que gritos e sussurros quase histéricos.
Para entender o amor é preciso delicadeza, fechar os olhos da matéria e penetrar na alma. É na alma, e não no coração, que reside o amor, e é dali que ele comanda os nossos gestos mais insanos.
Para entender o amor é preciso ser doce, esquecer o seu próprio eu, renunciar a si mesmo, entregar-se ao jogo de olhares, gestos e subtilezas.
O amor é leve, reside na alma e espera pequenos gestos.
A mão no cabelo, o silêncio dos olhares, o beijo suave, a mão apertada, o abraço terno, o compreender, o dizer: "eu estou aqui", e isso por si só bastar.
O amor é feito de pequenos gestos, algo como parar tudo agora, ligar para a pessoa amada e dizer com emoção: amo-te.
Para bom apaixonado, isso é tudo!

3 comentários:

Å®t_Øf_£övë disse...

Carlinha,
Concordo contigo... que o amor está na alma.
Para entender o amor é preciso todos esses gestos que enumeras, porque quando se ama é que se consegue ser qualquer coisa.
Quando se ama não temos necessidade de saber o que acontece, porque tudo passa a acontecer dentro de nós... na nossa alma... e quando um abraço aproxima dois corações que se amam, os registros ficam gravados na alma, onde nada, nem ninguém, os pode apagar.

Bom feriado.
Beijinhos.

Elsa disse...

"O amor é feito de pequenos gestos, algo como parar tudo agora, ligar para a pessoa amada e dizer com emoção: amo-te".
... 'pera lá que vou ali telefonar e já volto... LOl...
Agora a sério, tens toda a razão!!. Não há melhor que os pequenos gestos...
bjs

Visible Silence disse...

O AMOR para mim não reside no coração... não reside na alma... está entranhado no nosso corpo... em cada pedacinho de nós que vive.
A paixão é frenética, histérica... o AMOR que pode advir dessa paixão é suave... é o querer a felicidade do outro independentemente de também ser a nossa...
Sim, são os pequenos gestos carinhosos, a sinceridade, o cuidado, a preocupação de estar lá... aqui... onde ele estiver... sempre que precisar... nem que seja só de um ombro amigo... é a felicidade por ele ter existido mesmo depois de ter partido.
É o renunciar ao egoísmo...
Eu sei... é tudo isso.
Mil beijinhos para ti