sexta-feira, janeiro 20, 2006

Deixa aflorar a tua doçura

Às vezes, pergunto-me porque é tão difícil ser transparente...
Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que sentimos...
Ser transparente é desnudar a alma, é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que insistimos tanto em nos empenhar para levantar...
Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde.
Mas infelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco.
Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana.
Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser...
Preferimos perder-nos numa busca insana por respostas imediatas a simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo!!!
Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos, preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção.
E assim, vamo-nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos...
Não porque sejamos pessoas mentirosas, mas apenas porque nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, o nosso amor mais intenso e não-contaminado...
Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro faz-nos perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar... doçura, compaixão... a compreensão de que todos nós sofremos, nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir, num silêncio que nos remete a uma saudade desesperada de nós mesmos... daquilo que pulsa e grita dentro de nós, mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos.
Porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar, agredir, acusar, criticar e julgar do que simplesmente dizer: "tu estás a magoar-me... podes parar, por favor!".
Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro.
Quando, na verdade, se agíssemos com o coração, poderíamos evitar tanta dor...
Sugiro que deixemos explodir toda a nossa doçura.
Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo, não desejar parecer tão invencíveis...
Que consigamos não tentar controlar tanto, responder tanto, competir tanto... Que consigamos docemente viver... sentir... amar...
E que o nosso viver seja todo coração, muito mais sentimento, inundado de um amor transparente, apesar de todo o risco que isso possa significar...

Rosana Braga
Jornalista, escritora, coordenadora de projetos editoriais e consultora em comportamento humano.

2 comentários:

Å®t_Øf_£övë disse...

Lis,
Muito bonito este texto e esta reflexão que decidiste partilhar connosco.
Concordo inteiramente com o que nele está escrito.
Eu tenho procurado sempre ao longo da minha vida ser o mais transparente possível, mas reconheço que nem sempre é fácil, e que por vezes por ser assim isso me tem trazido alguns disabores. Mas mesmo assim não me arrependo nada de o ser.
Gosto de ser sincero, de viver, de sentir e de amar...
Beijinhos.

Nefertiti disse...

Lis,
Este texto tem tudo a ver comigo e diz tudo quanto eu preciso ouvir, aprender e pôr em prática.
Proporcionaste-me valiosos momentos de reflexão.
Deixar cair a máscara, desnudar e lavar a alma com o intuito de me encontrar e aproximar de mim mesma, é o meu empenho de momento.
Um beijo.