quarta-feira, maio 17, 2006

Sentimento... Razão... Decisão...

O meu filho mais novo tem seis anos. É uma criança muito querida, cheia de vida, tem um ar satisfeito e muito feliz. Muito atento a tudo o que o rodeia, questiona-me constantemente querendo saber a razão de tudo e não aceita qualquer justificação ou explicação. Enquanto permanecer nele alguma dúvida, sou alvo de um questionário ininterrupto e inteligente que exige de mim toda a compreensão e maturidade para lhe responder em conformidade com a sua tenra idade.
Todos os dias vou busca-lo à escola, aparece sempre a correr de mochila às costas e com um enorme sorriso.
Naquele dia, aproximou-se de mim a passos lentos e o seu rosto tão triste que de imediato percebi que algo não correra bem naquela manhã.
Beijei-o, peguei na mochila tão pesada para tão franzino ser e pausadamente questionei-o:
- Estás bem, amor?
- Sim, estou! – respondeu-me. Tão-somente estas palavras!
Aumentou a minha preocupação. E avancei cautelosamente:
- Correu bem a aula, hoje? Aprendeste coisas novas?
- Correu bem, mamã, correu tudo bem!
Inquietei-me, o seu estar sereno e as suas escassas palavras só me confirmavam a suspeita de que havia acontecido algo de muito forte que abalou profundamente a minha criança.
- Zangaste-te com os teus amigos?
- Já te disse que correu tudo bem, mamã!
Calei-me perante a sua resposta. Dirigimo-nos ao carro, calados, como nunca fizemos! Ele tem sempre tanto que contar, sobre a aula, as brincadeiras e conversas com os amigos, que parece que não nos vemos há uma infinidade de tempo! E naquele dia, estava completamente mudo.
O percurso da escola a casa é pequeno, conduzia em silêncio e o meu pensamento fervia de inquietação! De repente a sua vozinha fez-se ouvir:
- Mamã, estou apaixonado!
Ai Deus, nem sei como não estanquei o carro naquela avenida!
Os meus olhos quase rebentaram de tanto abrirem perante a perplexidade daquela afirmação tão convicta do meu filho! Fiquei sem palavras!
- Apaixonado, amor?! – nem sabia que pensar quanto mais perguntar!
O meu filho apaixonado?!? Com seis anos?!? Que sabia ele do significado de paixão?!?
Respondeu-me:
- Sim mamã, gosto da Cristina e queria que ela fosse minha namorada!
Proferiu aquelas palavras tão convictamente, aliadas a um comportamento tão sério que não me deixou margem para qualquer dúvida… o meu petiz estava “apaixonado”!
- Amor, já lhe disseste que gostas dela? – perguntei-lhe.
- Sim, já. Mas ela disse-me que já tem namorado!
Eu estava literalmente petrificada agarrada ao volante!
- Até fiz um desenho para ela… ainda não o acabei, ainda não tive tempo…
Não sabia que lhe dizer! Seis anos, ele só tem seis anos!
- Olha, meu amor, tu ainda és muito pequenino, a Cristina também, tu vais crescer e vais conhecer outras meninas…
Não me deixou fomentar mais a minha opinião, interpelou-me de imediato:
- Eu sei mamã, mas eu gosto da Cristina…
- Está bem amor, não penses agora mais nisso, não fiques triste, amanhã dás-lhe o teu desenho, vais ver que ela vai ficar muito contente contigo. Ela é tua amiga, não é?
- É, mamã. – e calou-se novamente.
Naquele dia não voltámos a falar sobre aquele assunto.
No dia seguinte, de novo no percurso para casa, perguntou-me ele:
- Mamã, podemos falar daquilo de ontem?
Por momentos, nem me lembrava a que assunto se referia, mas rapidamente ele me recordou:
- Da Cristina, mamã. Já acabei o meu desenho…
- Já? E que desenhaste, amor?
- Um coração grande!
Eu não podia crer no que estava a ouvir, nem na conversa e tema que estava a travar com o meu filho tão pequenino!
- Deste o desenho à Cristina? Ela gostou?
- Não mamã, não dei… - e por breves instantes calou-se… retomou o quase monólogo, pois eu não conseguia emitir um som que fosse!
- Mostrei-lhe o meu desenho, ela gostou, pediu-me que lhe desse o meu coração… mas eu não dei… não dei, nem vou dar… vou guardar no meu quarto, na gaveta da minha secretária e disse-lhe que só lho dou quando ela gostar um bocadinho de mim, quando ela quiser ser minha namorada…!


Desde muito cedo, desde sempre o ser humano é confrontado com os seus próprios sentimentos, estes inatos, e as decisões a tomar na sua conduta de vida.
A vida é uma escolha constante. É a obrigatoriedade permanente de decidir entre isto e aquilo, entre fazer ou não fazer, entre ir ou ficar, entre ser ou não ser,…
Nesta luta interior, nesta obrigação que nos impõem, ou que nos impomos, temos que escolher! Aliado ao já de si angustiante processo de escolha, acresce o factor sentimento, sempre presente.
Quantas vezes o sentimento se sobrepõe à razão e fazemos, dizemos e decidimos o que conscientemente sabemos incorrecto?!
Saber decidir pesando os prós e contras é difícil, doloroso, aterrador, por vezes!
Mas há decisões a serem tomadas! E temos que as tomar racionalmente, temos que ser objectivos, precisos… inteirarmo-nos concretamente do que queremos e mais importante ainda, saber o que não queremos para nós!

3 comentários:

Junior disse...

Nefertiti,
Como ambas somos mães de crianças da mesma idade, posso tb eu dizer que já fui confrontada com a questão do 1ºamor da minha filha, e posso-te dizer que inclusvé cartas de amor já foram trocadas entre a minha filhota e o dito namorado...imagina!
Tb encontro com frequência, espalhado pela casa,corações desenhados com palavra AMOR escrita...e o nome dele!
Até tenho medo deste amor, pois acredito que quem ama sofre...e ela já está na iminência do sofrimento que o amor causa pq o namoradinho vai abandonar a escola este ano e ela só fala disso...
Sinto-me perdida, mas tb nada posso fazer para ajudar pq a vida é mesmo assim e realmente esta capacidade que nós temos enquanto seres humanos que somos é mesmo inata e nasce connosco.
E enquanto mãe só lhe posso ensinar a viver e a amar sem sofrer!!!

Bjinhos grandes

Å®t_Øf_£övë disse...

Nefertiti,
Sem dúvida alguma, as crianças hoje vivem em relação ao amor uma fase um tanto quanto conturbada. Os contínuos apelos ao amor, e pior do que isso ao sexo, explorados pela mídia, fatalmente confundem a cabeça das crianças. Se por um lado nós queremos impor alguns princípios, por outro lado as músicas insistem em falar de sexo, não só as músicas, como também as telenovelas e os filmes.
É um mundo diferente o que as nossas crianças vivem hoje, daquele que tivemos nós na nossa juventude. Por isso obriga-nos também a adaptarmo-nos a esta nova realidade com que somos confrontados através das crianças.
Ou seja, hoje as crianças despertam muito mais cedo para a sua sexualidade, e por vezes nós adultos acabamos por não saber muito bem como lidar com a situação.
O nosso papel aqui, enquanto pais é fundamental. Devemos fazer perguntas, e falar com as crianças sobre as suas preocupações em relação ao amor. É necessário estarmos preparados para ouvir coisas que nos vão surpreender. É importante não nos sentirmos desconfortáveis em relação a certos temas, para que isso não os afaste de nós.
Devemos ter conversas num ambiente descontraído, porque assim, serão concerteza muito mais produtivas.
O nosso papel aqui não será o de querermos resolver todos os problemas dos nossos filhos (acabamos sempre por cair nessa tentação), mas de os ouvir atentamente, e ajudá-los a resolver os seus problemas em relação aos seus amores precosses.
Ai ai ai o amor... hoje começam a sofrer tão cedo com isso... nem sei se é bom ou mau...
Beijinhos.

Dulcineia disse...

Pois...
Também o meu filho que tem 6 anos já esteve apaixonada...várias vezes...quando ainda andava no jardim de infancia e tinha aí uns 4/5 anos até um dia chorou porque a não sei quantos o tinha trocado por outro menino...
De facto,são as influências da TV e da geração Morangos com Açucar...
Reparem como nas últimas semanas até há escolas em que as crianças tentam experimentar a sensação de ter alergias tipo Morangos com Açucar!
São situações sobre as quais devemos reflectir todos os dias,mas não são nenhum drama.